OS LIVROS NA ERA DA WEB

Numa época de textos curtos e fragmentados, cheios de hiperlinks, como fica nossa relação com a leitura?

Por Ramon Mello [Revista Vida Simples, 2011]

 

Em uma cena, Marylin Monroe, com uma expressão concentrada, retira um livro da prateleira. Em outra fotografia, Vinícius de Moraes posa com uma de suas antologias poéticas. Ambas as imagens fazem parte do blog O Silêncio dos Livros(osilenciodoslivros. blogspot.com), nome emprestado de um dos títulos do crítico francês George Steiner. Apesar de falar de livros, o espaço virtual não traz textos, apenas imagens variadas de pessoas lendo. São ilustrações, cenas de filmes e telas de pintura que fazem pensar na relação entre os leitores e os livros. Os personagens retratados transmitem enorme prazer com o livro; tanto que é como se eles estivessem, na verdade, ajudando a criar as histórias, junto com os autores. “Grande parte das imagens que conhecemos relacionadas com leitura são de um silêncio absoluto. Existe melhor silêncio que aquele que o leitor exige durante a leitura?”, diz o português Hugo Miguel Costa, livreiro de profissão e criador do blog. A relação entre quem lê e os livros é uma relação íntima, silenciosa, cheia de carinho. Mas será que essa relação permanecerá a mesma, em uma época em que os computadores estão em toda parte, e as coisas que lemos são cada vez mais fragmentadas?

“Nos tempos que correm somos praticamente todos leitores, mas cada vez menos leitores de livros”, afirma Costa. Lemos o tempo todo: e-mails, reportagens e artigos enviados por email, frases e histórias contadas por amigos nas redes sociais, como Facebook e Twitter. Pulamos de um site a outro, seguindo os assuntos e chamadas que capturam nossa atenção, mesmo que apenas por alguns segundos. Mas será que toda essa atividade faz bem ou mal para nossos hábitos de leitura? A discussão não é gratuita: para um texto ganhar vida, ele precisa da interação com o leitor, e a forma como ele vai interagir com o texto vai alterar sua percepção do conteúdo. Quando lemos, lemos de um determinado lugar e em uma condição histórica. As palavras, sem ninguém para lê-las, não são grande coisa.

Essa forma de encarar a relação entre leitor e autor é nova na história. Na Idade Média, por exemplo, o documento manuscrito era considerado um padrão para o mundo. Não se admitia interpretação nem teorias, que eram produtos da imaginação do leitor. Com o tempo, isso mudou, e hoje a dinâmica da leitura, com a presença do leitor quase como um coautor, é o que dá vida ao texto. Esse diálogo agora se dá com as narrativas fragmentadas, de poucos caracteres, que encontramos na web.

Com a chegada da internet, ainda há pessoas que continuaram lendo da mesma maneira. Não há como fazer um estereótipo do leitor .

Algumas pessoas são céticas. A psicanalista Sônia Viana, leitora inveterada de livros de ficção e “dizedora de poesia”, não gosta de ler na internet. “Não é tão gostoso quanto ler o objeto livro”, afirma. “Por exemplo, acabei de ler o Não Há Silêncio Que Não Termine (Cia. das Letras, 2010), da franco-colombiana Ingrid Betancourt, e não me cansei das 553 páginas.” Na opinião de Sônia, a intimidade que existe entre o leitor e o livro é única, e não pode ser reproduzida pelos meios virtuais.

Já para Rosa Gens, professora e doutora do Departamento de Literatura Brasileira da Universidade Federal do Rio de Janeiro, não se pode falar mais de leitor, mas em grupos de leitura. “Com a chegada da internet, há pessoas que continuaram lendo da mesma maneira. Não há como fazer um estereótipo de leitor”, diz. “Ao ler na internet, cria-se uma nova percepção do que está sendo lido numa tela que rola.” Rosa diz não saber responder se essa nova forma de leitura muda a maneira de escrever. “Como professora, tudo que posso dizer é que quem lê escreve muito bem.”

A concepção de leitura na sociedade contemporânea é muito diferente da sociedade de duas décadas atrás; ela exige uma atenção múltipla para aprender a lidar com enorme quantidade links e hiperlinks conectados a um texto. Segundo a pesquisadora Maria Lúcia Santaella Braga, professora da PUC-SP e autora do livro O Perfil Cognitivo do Leitor Imersivo (Paulus, 2004), hoje existem três tipos de leitor convivendo ao mesmo tempo. Um deles é o leitor contemplativo, da era préindustrial. Outro é o leitor que ela chama de “movente”, que lê não só o livro impresso mas também os signos urbanos. E, finalmente, o leitor imersivo, que navega pelas redes de comunicação e tem a atenção necessária para lidar com a enorme quantidade de links e hiperlinks ligados a um texto. São três perfis, três formas de ler, que convivem lado a lado – e sem uma ser melhor que a outra.

Segundo a poeta e professora Suzana Vargas, autora de Leitura, uma Aprendizagem de Prazer (José Olympio, 1997), os livros não devem ser confundidos com a leitura. Ela acredita que os suportes se modificam, mas a leitura permanece a mesma. “A minha fé é na leitura e não na forma como ela se dá”, diz. “O ato de ler é um ato de entrega. Eu leio um papiro da mesma forma que leio um livro. Eu leio um e-book da mesma forma que leio um livro.” Leitora contumaz, Suzana se encantou com o Kindle, o e-reader lançado pela livraria virtual norte-americana Amazon. Para ela, as virtudes da leitura não se perderam com o fato de as letrinhas aparecerem em um suporte virtual. “Se a solidão é uma certeza, o livro é uma companhia eterna – ele tem a capacidade de se transformar a cada leitura”, afirma a criadora do programa Rodas de Leitura e do Estação das Letras.

Independentemente do suporte, os brasileiros estão lendo mais. Ao menos segundo a pesquisa “Retratos da Leitura no Brasil”, a principal fonte sobre o comportamento leitor no país. O estudo, apresentado em maio de 2010 pelo Instituto Pró-Livro, constatou que 95 milhões de pessoas, ou seja, 55% da população, são leitoras. O número é maior que os 49% da pesquisa anterior, realizada entre 2000 e 2001. A pesquisa apontou também que o brasileiro lê, em média, 4,7 livros por ano. “A maioria dos brasileiros associa a leitura ao conhecimento, seja aquele que será utilizado na vida, seja aquele ligado a situações específicas, como a escola. A internet pode mudar esse perfil na medida em que enfrentar, como se espera que aconteça, a exclusão digital”, afirma o organizador de Retratos da Leitura no Brasil (Imprensa Oficial/SP, 2008), livro que reúne artigos de especialistas que se debruçaram sobre os resultados da pesquisa. “Eu detesto ler em tela de computador – embora leia dois jornais assim -, mas a web pode incentivar, de inúmeras formas, a leitura, não necessariamente se oferecendo como suporte para essa leitura”, diz a escritora Adriana Lisboa, tradutora do livro A Arte de Ler (Casa da Palavra, 2009), que ficou fascinada pelas imagens de leitores publicadas no blog O Silêncio dos Livros. Com ou sem a web, o importante é que os novos leitores possam, assim como os personagens retratados no blog, se deleitar ao ler um bom livro – esteja ele impresso em papel ou brilhando na tela de um iPad.


BIGtheme.net Joomla 3.3 Templates